MODELAGEM MATEMÁTICA DA DECOMPOSIÇÃO DA SERAPILHEIRA EM UM ESTADO TRANSIENTE DE REFLORESTAMENTO

Arlete Cherobini Orth, Geraldo Ceni Coelho, Pedro Augusto Pereira Borges

Resumo


Constatou-se que a serapilheira é formada por todo o material biológico depositado sobre o solo, sendo composto basicamente por folhas, cascas, frutos e ramos. A decomposição da serapilheira e a consequente incorporação de matéria orgânica e nutrientes minerais ao solo, são processos importantes em sistemas agroflorestais e florestas em recuperação de ecossistemas degradados. Neste trabalho foram desenvolvidos dois modelos matemáticos: um para descrever a variação do fator de decomposição da serapilheira em função do tempo, com base em dados experimentais; e outro para prever a decomposição e o acúmulo de serapilheira em um sistema florestal transiente, com dados empíricos de plantios de grandiúva (Trema micrantha (L.) Blume) e aroeira-periquita (Schinus molle L.). Foram obtidos três formas de dados experimentais: a massa que compõem a serapilheira (Xo); a variação da massa em decomposição (X), a variação do fator de decomposição (k). O modelo de serapilheira remanescente, para um caso transiente com entrada de massa, envolve três grandes variáveis relacionadas entre si: o crescimento das árvores, a decomposição da serapilheira e a massa Xo de entrada. As seguintes premissas orientam a formulação do modelo: 1. A entrada de massa na serapilheira (Xo) ocorre em porções, cada uma em um instante de tempo; 2. A massa de serapilheira acumulada em um determinado instante de tempo é composta por n frações (Xi), cada qual em um estágio de decomposição diferente,  portanto com um valor de k correspondente;  3. Os valores do fator de decomposição variam de forma contínua. O aumento da produção de serapilheira mensal foi considerado como uma função do crescimento da população das árvores. Foram efetivadas comparações entre os resultados dos modelos com dados experimentais, especialmente no que se refere à massa de serapilheira remanescente. Os modelos foram utilizados para simular o acúmulo de serapilheira ao longo do tempo de vida das árvores. Em suma, verificou-se ainda que, o processo de decomposição do material biológico produzido pelas espécies em comento, bem como toda e qualquer matéria orgânica existente sobre o solo, está em constante processo de decomposição, portanto com tempo finito, não se coadunando com relatos superficiais de estudos, declarando que a partir de certo tempo de implantação das florestas, este processo ser infinito.


Palavras-chave


Modelos Matemáticos. Decomposição. Serapilheira. Nutrientes. Produção

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22614/resc-v7-n2-1041



Direitos autorais 2018 Saber Científico

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSN: 1982-792X